Mais empregos com salários mais baixos

Num período marcado pela lenta recuperação do ritmo da atividade, o aumento das contratações com carteira assinada em setembro contribui para a confiança na economia. É um bom sinal, que seria ainda melhor se o salário médio de admissão de R$ 1.516,89 não tivesse registrado queda real de 0,93% em relação a agosto.

 

Com a abertura de 137,3 mil vagas formais, setembro de 2018 foi o melhor setembro em cinco anos, confirmando a tendência de recuperação do emprego. Nos primeiros nove meses do ano, foram abertos 719 mil postos, menos de uma quarta parte dos 2,9 milhões de vagas fechadas entre 2014 e 2017. A retomada precisará ganhar tração para o retorno a dias bons para o emprego formal. Ainda assim, os números do Ministério do Trabalho têm vários aspectos positivos.

 

A geração de vagas foi generalizada. Liderados pelo setor de serviços, que contratou 60.961 pessoas, em parte para atender à demanda do fim de ano, sete dos oito segmentos analisados abriram vagas em setembro, com a exceção da agropecuária, afetada pela sazonalidade. Nos primeiros três trimestres do ano, o setor de serviços contratou 436.865 pessoas – mais de 60% dos postos abertos no período.

 

A indústria de transformação abriu 37.449 vagas em setembro e 136.271 vagas neste ano. Também significativo foi o saldo líquido de contratações da agropecuária de 86.051 postos no ano, alta de 5,52% em relação a igual período do ano passado. Porcentualmente, foi o melhor resultado entre todos os setores analisados pelo governo.

 

Depois de um longo período de enxugamento, até a construção civil contratou 12.481 empregados em setembro e 80.135 neste ano – neste caso, com avanço de 3,99% em relação ao ano passado.

 

A recuperação do emprego foi registrada em todo o País, sendo mais forte no Nordeste e, em especial, nos Estados de Alagoas, Pernambuco e Sergipe. Mas nos primeiros nove meses do ano, comparativamente a igual período de 2017, destacou-se a recuperação na Região Centro-Oeste, indicando o vigor do agronegócio.

 

Os números positivos ainda não permitem prever um recuo mais expressivo do desemprego em geral, medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para isso serão necessárias indicações mais fortes da retomada econômica.

 

Please reload

Notícias Recentes

Please reload

Notícias por mês

Please reload

Tags

Please reload

 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design