Tags

Por que as previsões sobre PIB estava erradas.

No começo de 2018, economistas chegaram a prever um crescimento de 3% do PIB no ano, expectativa que ao longo dos meses, como todos sabemos, foi murchando, murchando… até o resultado final, divulgado na semana passada: aumento de apenas 1,1%. A diferença, de 1,9%, não é pouca em termos percentuais, se trata de um resultado que ficou praticamente 65% abaixo do previsto.

Uma explicação, divulgada por alguns responsáveis por essas projeções, é que os modelos usados para calcular o crescimento do PIB se deterioraram ao longo do ano, levando a uma previsão errada. Mesmo assim é difícil olhar para uma disparidade de resultados tão grande sem imaginar se não houve um excesso de otimismo.

Economistas são humanos e o trabalho de Daniel Kahneman, ganhador do Nobel de Economia, demonstra que tendemos a ser otimistas demais com o futuro. Esse viés de achar que tudo vai dar certo é uma das chaves da Teoria Prospectiva, segundo a qual confundimos alta probabilidade com certeza.

As pessoas – o que certamente inclui os encarregados de relatórios e projeções – têm uma capacidade limitada de compreender e avaliar probabilidades, segundo Kahneman e seu companheiro de estudos, Amos Tversky. Muitos de nós percebem pequenas probabilidades como se fossem grandes e também o contrário, grandes probabilidades como pequenas.

No livro A crisis of beliefs: Investor psychology and financial fragility, lançado no ano passado, Nicola Gennaioli e Andrei Shleifer, economistas e professores de Princeton, recuperam a história da falência do banco Lehman Brothers, em 2008, para demonstrar como nossa percepção dos fatos econômicos pode estar errada.

Apenas seis semanas antes da falência do banco, em agosto, tanto o Fed como os encarregados das previsões no mercado financeiro previam que a economia dos Estados Unidos iria crescer. E todas as autoridades asseguraram por meses que o pior havia passado. O que deu tão errado?

Os autores apontam: analistas de risco, investidores, economistas e autoridades supervalorizaram a possibilidade de que o desempenho do passado se mantivesse e negaram os riscos do presente. Hoje é consenso de que houve excesso de confiança.

As evidências não sugerem que os economistas foram ingênuos ou mal intencionados ao fazer previsões. Houve, no entanto, uma falha enorme: os bancos não sabiam mais do que as pessoas comuns sobre o estado da economia.

Algo parecido ocorreu na Copa do Mundo de 2018. Comentaristas, analistas, repórteres, apostadores, torcedores, todos conhecedores do futebol, erraram os favoritos. A maior parte das análises, considerando o caminho de seleções como a Alemanha ou mesmo o Brasil, olhou para o passado, sem ter ideia de como o time estava no momento.

É o que Vojtěch Zíka e Petr Koblovsky, dois economistas tchecos, chamam de “a maldição do especialista”. Pessoas acostumadas a determinadas tarefas ao longo do tempo acabam não dando a atenção devida a alguns detalhes. Eles citam um exemplo: entre 1998 e 2001 as empresas americanas gastaram US$ 2 trilhões em aquisições de outras empresas, que, todavia, logo estavam valendo US$ 250 bilhões a menos, um prejuízo para os acionistas.

Para evitar disparidades, defendem Gennaioli e Shleifer, expectativas deviam ser incorporadas às projeções, em um modelo de probabilidades. Seria como dar um desconto devido às emoções.

 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design