Com gerra comercial iminente, UE impõe limites a óleo de palma

A União Europeia estabeleceu novos critérios para o uso de óleo de palma em biocombustíveis, fazendo malabarismos para tentar evitar uma guerra comercial com os produtores na Ásia enquanto aplaca os defensores do clima na região.

 

A medida aprovada pela Comissão Europeia nesta quarta-feira explicita os tipos de biocombustível de óleo de palma que podem ser incluídos nas metas de energia renovável da UE e introduz um sistema de certificação. Foi uma exigência de uma lei mais ampla adotada pelo bloco de 28 países no ano passado, quando o Parlamento Europeu pressionou por restrições ao uso do óleo de palma porque sua produção causa desmatamento e agrava o aquecimento global.

 

Indonésia e Malásia, que juntas respondem por 85 por cento da oferta global, alertaram que estão prontas para retaliar as medidas "discriminatórias" destinadas a limitar as remessas de óleo de palma. Os preços do óleo de palma caíram 15 por cento desde o início de 2018 em meio à campanha ambiental da UE, e as perdas se estenderam nesta quarta-feira.

 

"O aquecimento global é uma grande preocupação para os europeus, e a Comissão está aumentando os esforços para reduzir as emissões de gases do efeito estufa", afirmou o braço regulador da UE em um comunicado.

 

A UE quer liderar a batalha contra o aquecimento global e estipulou metas mais rígidas para reduzir os gases do efeito estufa responsáveis pelas mudanças climáticas. O objetivo é reduzir as emissões em pelo menos 40 por cento até 2030 em comparação com os níveis de 1990, aumentar a participação da energia renovável para 32 por cento e elevar a eficiência energética em 32,5 por cento.

 

A campanha do Parlamento da UE para limitar o uso do óleo vegetal em combustíveis renováveis polarizou os estados-membros e foi defendida por grupos ambientalistas, que argumentaram que a UE deveria acabar com o apoio público ao biodiesel de óleo de palma, colza e soja, que produz muita emissão. Quarenta e seis por cento das importações totais de óleo de palma no bloco são usadas para biocombustíveis, de acordo com a assembleia da UE.

 

De acordo com a medida adotada pela comissão nesta quarta-feira, o óleo de palma é classificado como "insustentável", mas algumas isenções são oferecidas para aplacar os países produtores, como a possibilidade de incluir nas metas ecológicas da UE o óleo de palma oriundo de fazendas pequenas. A UE decidiu estabelecer o limite de tamanho em 2 hectares, a extremidade inferior da faixa de 2 a 5 hectares considerada na elaboração do regulamento.

 

"A decisão tomada hoje de rotular o óleo de palma como insustentável é um avanço", disse Laura Buffet, gerente de combustíveis não poluentes do grupo de defesa Transport & Environment. "Mas esta é uma vitória apenas parcial, já que a soja e parte do óleo de palma ainda podem ser classificadas como ecológicas." 

 

A lei de energia renovável da UE que obrigou a Comissão a estabelecer no ano passado critérios de sustentabilidade para o óleo de palma em suas metas ecológicas especifica que o uso insustentável de biocombustíveis a base de alimentos e safras de alimentação deve ser limitado a partir de 2019, com o objetivo de iniciar uma eliminação gradual em 2023 que culminaria em proibição total em 2030.  

 

 

Please reload

Notícias Recentes

Please reload

Notícias por mês

Please reload

Tags

Please reload

 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design