Anfavea: fabricar carro no Brasil custa 20% a mais que no México

O economista Luiz Carlos Moraes, diretor de comunicação e relações institucionais da Mercedes-Benz, assumiu mês passado a presidência da Anfavea, a associação nacional das montadoras. O executivo tomou posse no momento em que a indústria automotiva brasileira passa por lenta recuperação, com grande capacidade ociosa nas fábricas e exportações em baixa.

Moraes aposta na reforma da Previdência para resolver o déficit fiscal e garantir a vinda de novos investimentos ao país. Ele também revela, em entrevista concedida a UOL Carros, que a Anfavea mantém conversas com o governo federal para ajudar a formatar a reforma tributária, que poderá ser aprovada já neste ano, acredita.

"Nós vamos opinar e sugerir para que o setor não fique tão dependente de um sistema tributário caótico", avalia Moraes, segundo o qual o primeiro passo é simplificar o que considera complexo demais e oneroso, para em seguida efetivamente reduzir a carga de impostos sobre os veículos fabricados aqui.

Essa seria uma das medidas cruciais para combater o que chama de "custo Brasil" e aumentar a competitividade frente a países como o México, que recentemente ganhou direito de exportar para sem limites por cotas, além de estar isento de tributação.