Tags

A pandemia e o orçamento das famílias

O aumento em janeiro, pelo segundo mês consecutivo, do porcentual de famílias com dívidas coincide com o surgimento de dificuldades e incertezas no cenário econômico, o que recomenda maior rigor na gestão do orçamento doméstico. O conselho é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em boletim sobre endividamento e inadimplência do consumidor. Em janeiro, 66,5% das famílias tinham dívidas, com aumento de 0,2 ponto em relação ao porcentual observado no mês anterior, quando se registrou o primeiro aumento nesse índice desde agosto.


A pesquisa inclui dívidas com cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal, prestação de carro e de casa. Levando- se em conta a pandemia, o aumento do número de famílias endividadas em janeiro não chega a indicar um cenário negativo, na avaliação do presidente da CNC, José Roberto Tadros.


"Temíamos uma escalada do número de inadimplentes", diz ele. "O auxílio emergencial ajudou a evitar o pior cenário, e a economia soube se reinventar na medida do possível." De fato, o pagamento do auxílio emergencial para mais de 60 milhões de pessoas com mais dificuldades por causa da pandemia injetou grande volume de recursos na economia e evitou o agravamento da crise.


Mas o benefício só foi pago até dezembro, o que gera preocupações sobre como as pessoas mais carentes enfrentarão suas dificuldades sem a ajuda financeira extraordinária e lança dúvidas sobre a evolução da atividade econômica. O comportamento da demanda de crédito e da inadimplência é parte dessas dúvidas.


Até janeiro não havia sinais preocupantes.


O porcentual de famílias com contas em atraso caiu pelo quinto mês seguido, para 24,8%. Está 1 ponto acima do índice apurado em janeiro de 2020, mas é o menor desde fevereiro, isto é, antes da chegada da pandemia.


O índice de comprometimento do orçamento doméstico com o pagamento de dívidas, no entanto, chegou a 21,7%, menor do que o de dezembro, mas 2,3 pontos acima do de janeiro de 2020.


O agravamento da pandemia, o atraso na vacinação, a persistência de alto índice de desemprego e a lenta recuperação da economia recomendam gestão cautelosa do orçamento doméstico.


Veículo: O ESTADO DE S. PAULO - SP Editoria: ECONOMIA E NEGÓCIOS Tipo notícia: Editorial Data: 25/02/2021

 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design