top of page

Após queda, produção de carros deve fechar 2022 com alta de 4%


Brasil aumentou exportação e registrou o melhor resultado desde agosto de 2018. Consultor automotivo Nelio Dgrazi comenta mercado

Após ver a produção cair 5% no primeiro semestre, o setor de automóveis espera fechar o ano com um crescimento de 4%. Trata-se de uma previsão menor do que os 9% projetados no início do ano, mas é uma sinalização que 2023 pode ser melhor. Mesmo enfrentando dificuldades, como fornecimento de insumos, semicondutores e mudança na cadeia global por causa da guerra na Ucrânia, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) está otimista com o cenário para o próximo ano.

Projeções do setor até julho, segundo a Anfavea:

  • Licenciamento: 1%

  • Exportação: 22,2%

  • Produção: 4,1%

De acordo com a associação, cerca de 1,3 milhão veículos foram fabricados nos sete primeiros meses do ano. Em julho, foram vendidas 181.994 unidades, segundo melhor mês do ano, atrás apenas de maio. Julho teve o nível mais alto de produção desde novembro de 2020. Foram 218.950 autoveículos produzidos, alta de 7,5% sobre junho e de 33,4% em relação a julho de 2021.

O otimismo aumentou também impulsionado pela nova redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) anunciada pelo governo federal.

Os números, para o setor, afastam o pessimismo registrado no primeiro semestre, quando 1.091.700 veículos foram fabricados — número 5% menor do que as 1.149.100 unidades que saíram de fábrica no mesmo período de 2021.

Exportações aquecem setor

A Anfavea frisa que a recuperação das exportações, impulsionada pela crise na Argentina, aqueceu o mercado.

O Brasil aumentou a exportação de veículos para Colômbia, Chile, Peru, México e Uruguai. Foram ao todo, 246 mil unidades exportadas, sendo 47,3 mil em junho, melhor resultado mensal desde agosto de 2018. “O crescimento sobre o primeiro semestre de 2021 chegou a 23%. Em valores exportados, a alta já é de 33,7%, em função dos embarques de autoveículos de maior valor agregado”, explica a associação.

Projeções

Quem acompanha o setor explica que a pandemia impactou negativamente todo o mercado automotivo em 2020, já 2021 foi um ano um pouco mais estável para as montadoras.

“Para 2022 estimava-se que seria o ano de retomada mais forte, entretanto no 1° semestre viu-se inúmeras incertezas tanto na oferta quanto na demanda. A expectativa é que no segundo semestre o setor esteja mais aquecido e no início de 2023 tenha um pico maior de crescimento”, explica o consultor automotivo Nelio Dgrazi.

Porém, para as expectativas se concretizarem a situação econômica do país precisa melhorar. “A partir de 2023, a expectativa é que a taxa de juros seja reduzida e feche o ano em torno de 9%, acompanhando o movimento de queda nas taxas de inflação, o que deve favorecer o mercado de crédito e os investimentos, criando um cenário favorável ao mercado automobilístico”, conclui.

Crise dos condutores

Tratando-se de desafios da indústria automotiva para 2023 espera-se ainda falta de semicondutores, de peças e de contêineres, além da alta cotação do dólar que desfavorece o comércio de importados. A atual crise de escassez global de chips semicondutores que se arrasta desde 2020 não deve voltar a um equilíbrio ainda neste ano, segundo o consultor, voltando apenas em 2023 a apresentar uma melhora significativa no cenário.

Comments


montadora
bottom of page