Tags

BC melhora cenário para o PIB e passa a prever recuo de 4,4%

Em meio a reavaliações dos impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia brasileira, o Banco Central atualizou ontem sua projeção para o PIB em 2020. A expectativa para a economia este ano passou de queda de 5,0% para retração de 4,4%. A nova estimativa consta no Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Entre os componentes do PIB para 2020, o BC alterou de +1,3% para +2,3% a projeção para a agropecuária. No caso da indústria, a estimativa passou de -4,7% para -3,6% e, para o setor de serviços, de -5,2% para -4,8%. Do lado da demanda, o BC alterou a estimativa do consumo das famílias de -4,6% para -6,0%. No caso do consumo do governo, o porcentual projetado foi de -4,2% para -4,8%. O documento de ontem indica ainda que a projeção de 2020 para a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) - indicador que mede o volume de investimento produtivo na economia - foi de -6,6% para -4,4%. Todas as estimativas anteriores constavam do RTI divulgado em setembro. O BC reafirmou no documento que os indicadores recentes sugerem a continuidade, no Brasil, da recuperação desigual entre os setores econômicos. Conforme o BC, isso era esperado. "Contudo, prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais", afirmou o BC.

Estas ideias já haviam sido expressas em documentos recentes do BC, como a ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), publicada na terça-feira. Ao avaliar o nível de preços no Brasil, o BC reafirmou que "diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se em níveis compatíveis com o cumprimento da meta para a inflação no horizonte relevante para a política monetária".

Inflação. O Banco Central repetiu que os choques inflacionários atuais são temporários. Ao mesmo tempo, a instituição projetou inflação ainda elevada em dezembro.

"As últimas leituras de inflação foram acima do esperado e, em dezembro, apesar do arrefecimento previsto para os preços de alimentos, a inflação ainda deve se mostrar elevada, com coleta extraordinária de preços de mensalidades escolares e transição para o mais elevado patamar de bandeira tarifária de energia elétrica", registrou o BC. "Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, mas segue monitorando sua evolução com atenção, em particular as medidas de inflação subjacente."

Ambiente externo. O Banco Central também ressaltou que, "no exterior, a ressurgência da pandemia em algumas das principais economias tem revertido os ganhos na mobilidade e deverá afetar a atividade econômica no curto prazo". Esta avaliação já constou na ata do último encontro do Copom.

"No entanto, os resultados promissores nos testes das vacinas contra a covid-19 tendem a trazer melhora da confiança e normalização da atividade no médio prazo", pontuou o BC. "A presença de ociosidade, assim como a comunicação dos principais bancos centrais, sugere que os estímulos monetários terão longa duração, permitindo um ambiente favorável para economias emergentes", diz o documento.

Veículo: O ESTADO DE S. PAULO - SP Editoria: ECONOMIA E NEGÓCIOS Tipo notícia: Matéria Data: 18/12/2020


 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design