Com 0km caro, maioria dos compradores está buscando usados


[Fonte: Motor 1]

Pesquisa que a situação do mercado está empurrando os consumidores para carros de segunda mão

A disparada dos preços dos carros 0km desde o início da pandemia está mudando o cenário automotivo nacional. Com falta de veículos nas lojas, a corrida para seminovos e usados também elevou seus valores e, mesmo nesse segmento, os lojistas também estão sofrendo com a falta de estoque para atender a demanda que continua elevada.

Somente no primeiro semestre, foram 5.451.4998 veículos de segunda mão comercializados no Brasil, de acordo com a Fenabrave. Na comparação com o mesmo período de 2020, o crescimento foi de 62,9%. A dificuldade em comprar um modelo novo também fez o governo se movimentar nos últimos meses.

Ainda em setembro, a Câmara dos Deputados sediou uma audiência para debater um projeto de lei que pretende abrir as importações para quaisquer carros usados que atendam às normas vigentes de segurança e emissões. Hoje, veículos só podem ser importados como 0km ou com mais de 30 anos de uso, para fins de coleção. Depois de elevar as alíquotas de ICMS, o estado de São Paulo anunciou que a decisão cairá a partir de 2022 para modelos usados ou híbridos e elétricos 0km.

Consequências para o futuro

Esse novo cenário de demanda cada vez maior por veículos usados ainda promete se manter por período longo. Uma pesquisa do site de classificados iCarros revelou como anda a intenção de compras atual para a compra de carros. Ao longo de setembro, o levantamento consultou 23 mil clientes da plataforma.


Entre os participantes que demonstraram interesse em comprar um veículo nos próximos meses, 87% deles afirmaram que estão priorizando a aquisição de um carro usados. Entre os ouvidos pela pesquisa, 85% pretendem conclui a compra ainda até o final de 2021, reafirmando que a demanda deve permanecer elevada.


O levantamento apontou ainda uma alteração no tipo de carro que os compradores estão buscando. Entre os entrevistados, 38% deles afirmaram que estão buscando sedãs, enquanto hatches respondem por apenas 20% das intenções de compra. A mostragem revelou ainda que metade dos participantes ainda não possui nenhum carro.