Tags

Com margem apertada, indústria enfrenta pressão de custos

A explosão no preço do frete entre China e Brasil pode ser a gota d"água numa pilha de problemas para a indústria, associados, em maior ou menor grau, à pandemia. Com menos pessoas circulando, a demanda caiu nos primeiros meses de isolamento.


Ao mesmo tempo, custos aumentaram, com a alta do dólar e das cotações das commodities - as matérias-primas com cotação internacional - ao longo do resto de 2020. Também houve escassez de alguns insumos. Como resultado, as margens de lucro foram apertadas.


Segundo André Braz, especialista em inflação do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/ FGV), as altas das cotações do dólar e das matérias-primas têm puxado a inflação no atacado.


O custo com o frete de importação tem peso relativamente pequeno na formação de preços finais ao consumidor, mas as empresas podem não ter como absorver mais reajustes.


Na indústria de vestuário e no varejo de moda, uma das preocupações é fechar as contas para as coleções de inverno.


As marcas de moda, tradicionalmente, importam de 25% a 30% das roupas que vendem, com destaque para as de frio, pouco produzidas no País, diz Edmundo Lima, presidente da ABVTEX, associação do varejo de vestuário. China, Vietnã, Indonésia e Índia são os principais fornecedores. O frete de importação encareceu justamente na época das compras para as coleções de inverno, que precisam chegar ao País entre janeiro e março. Não há alternativas, porque as compras no exterior são planejadas com antecedência de oito meses a um ano. "Não dá, agora, para demandar produtos da indústria nacional. Tem coisa que ela não fabrica, como jaquetas sintéticas", diz Lima.


Mesmo que desse para redirecionar as encomendas, os varejistas também encontrariam preços mais altos. Vários insumos da indústria têxtil são importados da Ásia, como fios, corantes e alguns tecidos. Em Nova Friburgo, polo produtor de moda íntima na região serrana do Rio, os fabricantes, a maioria de pequeno porte, sentem na pele a inflação dos insumos, segundo Marcelo Porto, presidente do Sindivest, que representa as indústrias em Nova Friburgo.


"Representantes comerciais de matéria-prima estão recebendo um aumento gigantesco em suas tabelas de preços. Representantes que já fecharam os pedidos de março apresentaram aos seus clientes um aumento de 30%", diz.


Entre os fabricantes de eletrodomésticos, a dependência de fornecedores da Ásia varia conforme o produto. Um ar condicionado tem 30% de seus componentes importados. Aparelhos portáteis, como aspiradores de pó, ferro de passar e liquidificadores usam em torno de 60%. "As empresas vão ver o que podem fazer para minimizar seus custos. O que não conseguirem cortar, vão repassar (ao preço final)", diz Jorge Nascimento, presidente da Eletros, associação dessa indústria.


No caso da indústria de eletrônicos, como telefones celulares e computadores, cuja fabricação costuma requerer em torno de 70% de componentes importados, boa parte dos reajustes já foi feita ao longo do ano passado, segundo o presidente da Abinee, Humberto Barbato.


Sondagem da Abinee apontou, em dezembro, que 85% das empresas do setor relataram pressões acima do normal nos custos de componentes e matérias- primas. O principal vilão ao longo de 2020 foi o câmbio, diz Barbato. O encarecimento do frete de importação é um "problema delicado", mas o dirigente acredita que o pior já ficou para trás. "À medida que a pandemia vai sendo controlada, haverá um incremento da atividade comercial, o que vai fazer frete cair de preço", afirma Barbato.


Veículo: O ESTADO DE S. PAULO - SP Editoria: ECONOMIA E NEGÓCIOS Tipo notícia: Matéria Data: 01/02/2021