GM sobe ao terceiro lugar e Hyundai HB20 é o mais vendido no pior mês do ano

Fiat continua na liderança absoluta com quatro dos dez veículos leves mais vendidos do País em setembro


No mês marcado pelo pior resultado do ano até agora, com apenas 142.354 emplacamentos de veículos leves, a General Motors conseguiu manter sua gradativa recuperação com o retorno à produção em todas as suas fábricas no País e se sustentou na terceira posição do ranking de marcas mais vendidas de setembro (tinha terminado agosto em sexto), após a volta dos seus campeões de vendas às concessionárias Chevrolet. Na lista de modelos mais comprados no mês, a maior mudança foi a rápida ascensão do Hyundai HB20, que em agosto ocupava a quinta colocação (veja mais abaixo a tabela das marcas e dos modelos mais vendidos em setembro).


De acordo com números obtidos pela Autoinforme, a Fiat segue na liderança absoluta do mercado com quatro entre dez modelos mais vendidos do País em setembro, a picape Toro foi o segundo veículo leve mais emplacado, seguida da Strada em quarto lugar, Argo em sexto e Mobi em sétimo. Mas seus volumes e participação apresentaram quedas bruscas de um mês para outro, declinando 25% de 39 mil para 29 mil unidades emplacadas e de 24,6% para 20,4% de market share. O tombo sugere redução do ritmo de produção por falta de microchips em Betim (MG), justamente onde são produzidos os três últimos da lista que fecharam agosto na três primeiras posições do ranking e no mês passado foram ultrapassados pela Toro, que é fabricada em Goiana/PE, onde o problema tem sido melhor contornado.


Também com problemas de produção e paralisações nas fábricas paulistas de Taubaté e São Bernardo do Campo, a Volkswagen conseguiu se sustentar na vice-liderança do mercado, com 20,7 mil emplacamentos, queda de 11% sobre agosto, e participação estável de 14,5%. O modelo mais vendido da marca em setembro foi o Polo, na quinta colocação e cerca de um quarto das vendas da fabricante no mês passado.


No terceiro lugar em setembro com 12,6% de participação e quase 18 mil emplacamentos, o dobro do volume registrado em agosto, a GM dá mostras que pode crescer mais nos próximos meses, pois apenas recentemente todas as suas linhas de produção voltaram a operar em dois turnos nas fábricas paulistas de São Caetano do Sul e São José dos Campos e na gaúcha Gravataí. Após longo período de paralisação e quase sem produtos para vender, a marca Chevrolet iniciou sua reação com quatro modelos ocupando do 11º ao 14º lugares do ranking: pela ordem, Onix, S10, Tracker e Onix Plus.


Sem mudar de lugar de um mês para outro, a Hyundai se manteve na quarta posição do ranking de marcas em setembro com 12,5 mil veículos vendidos e pequenos crescimentos de volume e participação (9,8%), porque conseguiu aproveitar o terreno deixado pela concorrência e colocou dois modelos na lista dos dez mais vendidos, incluindo o hatch HB20 na primeira colocação e o SUV Creta recém-renovado na oitava.


Com problemas de produção nas plantas paulistas de Sorocaba e Indaiatuba, a Toyota amargou quedas expressivas nas vendas e desceu do terceiro para o quinto lugar entre agosto e setembro, reduzindo os emplacamentos de 17,4 mil para 11,4 mil e participação de 11% para 8%. Seu veículo mais vendido no mês foi a picape média Hilux, fabricada na Argentina, que ficou em décimo lugar no ranking mensal de modelos. O SUV Corolla Cross feito em Sorocaba caiu do 11º para o 18º posto.


A Jeep desceu da quinta para a sexta posição no mês, com 11,4 mil emplacamentos (-15,8% sobre agosto) e redução na participação de mercado de 8,6% para 8%. Ainda assim, seus dois SUVs fabricados em Goiana seguem com bons desempenhos no ranking de modelos: o Compass foi o terceiro veículo mais vendido do País em setembro e o Renegade foi o nono.