Negócios no consórcio de veículos crescem 33,4%

O volume de créditos comercializados superou R$ 104 bilhões no acumulado até outubro


Balanço do período janeiro a outubro divulgado pela Abac, Associação Brasileiras das Administradoras de Consórcio, nesta segunda-feira, 20, mostra desempenho positivo no ano em todos os segmentos do setor automotivo. No geral, a venda de novas cotas cresceu 12,8% em relação ao mesmo período de 2020, com total de 2,29 milhões de adesões incluindo os interessados em automóveis, comerciais leves, veículos pesados e motocicletas.


Agora são 6,69 milhões de participantes ativos, 5,4% a mais do que 3,45 milhões do ano passado. O volume de créditos comercializados subiu 33,4%, de R$ 78,1 bilhões para R$ 104,2 bilhões. Houve 1 milhão de contemplações, ante as 870 mil dos dez primeiros meses de 2020.


Responsável pela criação do consórcio no Brasil há 60 anos, os veículos leves representam o maior peso em todos os segmentos do consórcio. Os negócios nessa área avançaram mais de 20% no ano, com quase R$ 60 bilhões de créditos comercializados em dez meses. De acordo com o Abac, a cada três automóveis e comerciais leves vendidos no Brasil, um é transacionado via consórcio. O tíquete médio no segmento está em R$ 54,02, com alta de 15% sobre o valor de outuro do ano passado.


Segundo maior em número de participantes ativos, o consórcio de motos teve 8,8% a mais de adesões este ano do que no mesmo período de 2020, com quase 500 mil contemplações acumuladas até outubro. São 2,34 milhões de participantes ativos. O tíquete médio nesse segmento é de R$ 14,96 mil.

No consórcio de veículos pesados, houve a expressiva alta de 86,3% nos negócios realizados em razão de 70,9% de aumento nas vendas de novas cotas, além dos 35,7% de avanço do tíquete médio, que passou de R$ 178,5 mil para R$ 242,28 mil em um ano. São 446,37 mil participantes ativos. O volume de créditos comercializados em dez meses chegou a R$ 30,64 bilhões.