Projeto de lei que autoriza tirar CNH sem autoescola vai para análise


|Fonte: Motor 1|

Proposta quer autorizar uso de instrutores particulares e fazer os exames práticos e teóricos sem fazer um curso antes


O custo cada vez mais alto para obter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) motivou a criação do Projeto de Lei 6.485/2019, da senadora Kátia Abreu (PDT-TO), propondo o fim da obrigatoriedade das aulas teóricas e práticas nas autoescolas. Se virar lei, qualquer brasileiro poderia apenas fazer as provas teóricas e práticas e, caso seja aprovado, receber a CNH sem nunca fazer um curso de condução. O projeto ainda garantiria a gratuidade da CNH e a autorização de instrutores independentes.

Desde que foi apresentado, o projeto nunca foi movimentado dentro do senado. Pela primeira vez, a proposta dá sinais de que pode seguir em frente, iniciando sua análise dentro da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, para a emissão de um relatório pelo relator Fabiano Contarato (PT-ES). É o primeiro passo para a possível aprovação da proposta.

Na sua defesa, a senadora argumenta que a CNH pode custar até R$ 3 mil na maioria dos estados e que cerca de 80% do valor é gasto com as autoescolas. Isto impede que muitos brasileiros consigam obter a habilitação, lembrando de dados do IBGE que apontam que 52 milhões de cidadãos ganham até um salário mínimo. O projeto de lei ainda determinaria a gratuidade do documento com o uso do valor arrecadado pelas multas que, segundo Abreu, foi de R$ 43,5 bilhões entre 2014 e 2018, o que “são mais do que suficientes para dar gratuidade à carteira de motorista.”

“E por que, com relação à carteira de motorista, eu sou obrigada a pagar autoescolas e sou obrigada a pagar taxas abusivas nos Detrans dos estados deste país, com raríssimas exceções? Hoje, Detran, Procon e Secretaria de Meio Ambiente nos Estados viraram órgão arrecadatório, viraram Secretaria da Fazenda, arrancando dinheiro do contribuinte a qualquer preço e custo”, diz Abreu.

Assim, a proposta é que os brasileiros poderiam apenas fazer as provas teóricas e práticas para obter a CNH, sem precisar fazer aulas nas autoescolas. A preparação poderia ser feita com instruções de familiares ou com a contratação de instrutores, este agora independentes de autoescolas. “Não podemos desconsiderar a realidade que a expertise de direção veicular pode ser adquirida empiricamente pela prática e pela observação, muitas vezes obtidas no próprio núcleo familiar”, explica a senadora. Para compensar a falta do curso obrigatório, Abreu diz que os Detrans devem criar normas para deixar os exames mais rigorosos.

Após a emissão do relatório do relator, o texto irá para análise da CCJ. Pode ir para o senado caso nove ou mais senadores façam um requerimento para que vá ao Plenário. Caso isto não aconteça, irá direto para a Câmara dos Deputados para votação.

A Renault já confirmou que terá um novo SUV produzido no Brasil. Sem revelar muitos detalhes, confirmou apenas que será fabricado no país com a nova plataforma CMF-B e que terá motor 1.0 Turbo. Será um concorrente direto do Fiat Pulse, principalmente pelo porte e motorização.

Dentro da linha Renault, deve ocupar o lugar do Stepway em porte e faixa de preço. Protótipos foram flagrados em testes há poucos dias e, agora, detalhes do design são adiantados em projeções divulgadas pelo site Kolesa. O modelo será baseado na carroceria do Sandero Stepway de nova geração, porém com dianteira e traseira completamente reformuladas.