Seguro de veículos tem novas regras e pode ficar mais barato. Entenda


[Fonte: Estado de São Paulo]

Normas flexibilizam e simplificam o seguro de automóveis com mais oferta de produtos, montagem de coberturas e ligação direta com o condutor

Por incrível que pareça, apenas 16% da frota brasileira de veículos tem cobertura de seguro. É o que aponta um estudo recente do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e da Superintendência de Seguros Privados (Susep). Entretanto, essa realidade vai mudar. Afinal, as regras dos seguros foram simplificadas. E vão ampliar a oferta de produtos, bem como o acesso às apólices.

Elaboradas pela Susep, as novas regras e critérios para a oferta de seguros de automóveis foram publicados no Diário Oficial da União no dia 13 de agosto. Elas visam desenvolver o mercado. Com mais liberdade de escolha e personalização de apólices, o consumidor pode, então, pagar menos. E, na prática, isso viabiliza a contratação de coberturas.

O seguro auto é uma das principais modalidades e já arrecadou R$ 17,4 bilhões em prêmios só no 1º semestre de 2021. O montante é 6,8% superior que o do mesmo período de 2020.

O que muda?

De acordo com a Susep, uma das principais novidades é a possibilidade de contratar o seguro sem identificar o veículo. Dessa forma, a apólice fica atrelada ao condutor, e não ao carro. Como visto no mercado internacional, a medida facilita, assim, a vida de quem aluga carros ou faz assinatura. Isso pode aliviar o bolso dos motoristas de aplicativos, por exemplo, que adotam o compartilhamento de automóveis.

“O consumidor terá mais opções. E poderá pagar menos pelo seguro. Sem contar a flexibilidade extra para encontrar produtos que atendam seus interesses específicos. A opção de ter o seguro ligado ao condutor (e não ao veículo) pode ser conveniente para diversos consumidores”, argumenta Rafael Scherre, diretor da Susep.



Patrícia Cancado/Estadão

Mais oportunidades

Para a superintendente da Susep, Solange Vieira, as mudanças no seguro propiciarão, portanto, muitas oportunidades para o mercado. E, principalmente, aos novos consumidores. “Trata-se de oferecer mais acesso e possibilidade de escolhas”, pontua Vieira.

As novas regras permitem que o interessado monte a sua própria cobertura. Segundo Rafael Scherre, o cliente pode escolher entre diferentes opções, mais ou menos abrangentes. Ou seja, tal como apólices com cobertura parcial, ou as que dispensam aplicação de franquia em caso de indenização integral. E essa liberdade, já praticada por algumas seguradoras, reflete diretamente no custo final.

Outra mudança é que o seguro fica passível de ativação/desativação pelo contratante durante o uso do veículo. Isso também reduzirá os custos. “Esperamos um crescimento significativo do mercado com a ampliação de cobertura, inclusão e, principalmente, inovação”, argumenta Scherre. Para o diretor da Susep, agora há base para um ambiente favorável à concorrência e aos novos negócios, com menos restrições regulatórias.


Foto: Clayton de Souza/Estadão

Seguro de motos tem novidades

O aumento das opções de cobertura também vai mudar o panorama do mercado de seguro para motos. Assim como ocorre com os carros, agora é possível contratar planos para modelos de duas rodas, de acordo com a necessidade individual de cada cliente. Ou seja, é possível pagar só pelo rastreamento ou mesmo adquirir outros produtos, como reparos de lataria, faróis, lanternas e retrovisores, por exemplo.

De olho nesse mercado, a Ituran, especialista em rastreamento, acaba de lançar uma opção de Seguro Moto em parceria com a Tokio Marine. Por ora, o produto é destinado aos motociclistas da grande São Paulo, incluindo capital e região metropolitana. Dessa forma, o cliente pode escolher diversos serviços adicionais, conforme a sua necessidade.

Uma das novidades é o monitoramento via celular. O aplicativo Ituran Digital BR, disponível nas plataformas Android e iOS, permite ver a localização da moto em tempo real pelo smartphone. Também é possível definir um perímetro de circulação. Assim, caso o veículo saia da área delimitada, o usuário recebe alerta do app no celular.

Mas há regras. Por enquanto, o Ituran Seguro Moto só aceita modelos de uso particular com 6 anos e motor de, no máximo, 400 cilindradas. Isso para a cobertura com indenização de 100% da tabela Fipe em casos de perda total por roubo, furto e incêndio. O plano tem monitoramento pelo celular, cerca eletrônica e carro reserva por até 15 dias.

Segundo Roberto Posternak, diretor comercial da Ituran, o mercado de seguro de motos tem enorme potencial de expansão com as novas regras. Isso porque o número de apólices só crescem no País. Pelos dados do Denatran, houve crescimento de 17,5% nos últimos cinco anos, com um total de 33.893.329 motos com alguma cobertura em 2020.


Chevrolet/Divulgação

Os carros mais roubados

Levantamento feito pelo grupo Tracker com a Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) revelou dados atuais sobre os índices de roubo e furto de carros no Estado de São Paulo. Entre janeiro e março de 2021, foram 5 mil roubos, além de 13 mil furtos de veículos, modalidade que vem crescendo na pandemia.

Entre os modelos mais roubados, estão Chevrolet Onix, Hyundai HB20, Jeep Renegade e Toyota Hilux. A lista traz outros SUVs muito vendidos, como o Renault Duster e o Jeep Compass, além de modelos mais caros, como Audi Q3 e Volkswagen Tiguan. Já entre veículos comerciais, a popular Fiat Fiorino é um dos favoritos dos bandidos, assim como o pequeno caminhão urbano Hyundai HR.

O boletim aponta, ainda, quais são os veículos mais furtados. A lista tem modelos usados, como o Chevrolet Corsa, a carismática Volkswagen Kombi e os SUVs Ford EcoSport e Hyundai Tucson. Já entre os novos, estão Fiat Mobi, HB20, Tiguan, Hilux e Fiorino, além das picapes Chevrolet Montana e VW Saveiro.


Divulgação/Ford

Ka e Sandero são os populares mais roubados

Os hatches mais vendidos do País em 2020 também são os mais visados pelos criminosos da capital paulista em 2021. É o que mostra outro levantamento, da Carsystem. Nele, os carros mais roubados do 1º semestre na cidade de São Paulo são hatches compactos. No ranking, o Ford Ka aparece em primeiro lugar.

Em seguida, vem o Chevrolet Onix, campeão de vendas dos últimos anos. Renault Sandero, Volkswagen Gol e Hyundai HB20 completam o ranking. De acordo com o relatório da Carsystem, as ocorrências de roubos e furtos cresceram em 15% no período, com 1.600 chamados. Isso em relação ao ano passado. A justificativa é que houve aumento significativo na circulação de pessoas após a fase mais restritiva da pandemia.