Setor automotivo espera que veículos elétricos possuam 50% do mercado em 2030


  • Executivos do setor automotivo esperam que veículos elétricos representem metade do mercado;

  • Expectativa é ousada e pode ser atingida no ano de 2030;

  • Executivos acreditam que vendas de veículos elétricos podem crescer sem subsídios;

Uma nova pesquisa, feita pela empresa de consultoria e contabilidade KPMG, revelou que executivos da indústria automobilística esperam que os veículos elétricos representem pouco mais da metade das vendas de veículos novos nos Estados Unidos e na China até 2030, e poderiam realizar esse feito nos dois países sem receber subsídios do governo, de acordo com informações da agência Reuters.


Por outro lado, os veículos de combustão, neste caso, incluindo os híbridos, devem reter uma parcela significativa da maioria dos principais mercados de veículos nos próximos anos, de acordo com a última pesquisa anual da KPMG realizada com 1.000 executivos da indústria automobilística. A pesquisa revelou que os executivos mais otimistas estavam nos Estados Unidos e na China, os mais pessimistas estavam na França.


Executivos acreditam que vendas de veículos elétricos podem crescer sem subsídios


A velocidade com que os fabricantes de automóveis podem eliminar os motores de combustão e o dióxido de carbono que eles emitem é uma questão central para a indústria automotiva global. Um grupo de fabricantes de automóveis e países assinou um comunicado no início deste mês pedindo a eliminação dos veículos de combustão globalmente até 2040 e até 2035 nas nações mais ricas. Mas as duas maiores montadoras do mundo em vendas, Volkswagen e Toyota, e três dos maiores compradores de veículos do mundo – China, Estados Unidos e Alemanha – não assinaram este comunicado, segundo a Reuters.


A pesquisa da KPMG com executivos da indústria automobilística descobriu que os executivos acreditam que os veículos elétricos serão responsáveis ​​por 52% das vendas até 2030 nos Estados Unidos, China e Japão, com percentuais mais baixos para a Europa Ocidental, Brasil e Índia. Mas, por trás dessas previsões agregadas, os executivos da indústria têm visões amplamente variadas.


As vendas de veículos elétricos em todo o mundo têm sido impulsionadas até agora por subsídios do governo. Mas 77% dos entrevistados na pesquisa da KPMG disseram que os veículos elétricos podem alcançar a adoção em massa em dez anos sem ajuda do governo, já que os custos da bateria podem cair para a paridade com os motores movidos a petróleo. No entanto, 91% dos executivos automotivos disseram apoiar os subsídios do governo.


A ampla pesquisa também descobriu que 75% dos executivos pesquisados ​​esperam que suas empresas vendam ativos “não essenciais” nos próximos anos, à medida que reavaliam quais linhas de negócios serão viáveis ​​à medida que mais veículos novos mudarem para a tecnologia de bateria elétrica. “Haverá muitas fusões e aquisições”, prevê à Reuters Gary Silberg, representante da KPMG.