top of page

Venda de carros usados cai, mas margem bruta aumenta


Fonte: Autoo


Tíquete médio sobe pelo segundo mês consecutivo, após queda abrupta em julho

As vendas de automóveis usados e seminovos em setembro registraram uma margem bruta de 12,3%, recorde no ano. Em 2023, a melhor performance havia sido registrada em fevereiro (11,5%). Este também é o segundo mês consecutivo de alta do tíquete médio, que passou de R$ 77.578 em agosto para R$ 78.767. Os dados são do Estudo Performance de Veículos Usados (PVU), realizado pela MegaDealer com base nos dados da plataforma Auto Avaliar. O resultado chama a atenção por conta da queda nas vendas que, segundo a Fenabrave foram 14% menores que em agosto (875 mil unidades).

Apesar da alta do tíquete médio, o valor praticado no mercado ainda está abaixo de junho (R$ 81.693). “Há uma tendência de recuperação dos preços com a volta da normalidade após o impacto do programa de governo que estimulou a venda de carros novos por um curto período e desestabilizou o mercado de usados”, explica J.R. Caporal, CEO da Auto Avaliar.

Para se ter uma ideia, veículos produzidos entre 2012 e 2015 custavam, em média, R$ 45.135 em junho. Seus valores recuaram para R$ 41.190 em julho. Mas em agosto tiveram uma leve recuperação para R$ 42.488 e em setembro já estava em R$ 43.653. O tíquete médio é ainda 3,3% abaixo do junho, mas 2,7% acima do registro de agosto.

O mesmo ocorreu com os veículos ano/modelo 2016 a 2019 que em setembro custavam, em média, R$ 71.218, -4,8% na comparação com junho, mas 1,7% acima do mês de agosto. A menor recuperação foi apresentada pelo segmento 2020 a 2022, cujo preço está em R$ 102.567, apenas 0,6% acima do valor de agosto e 5,1% abaixo de junho.

Segundo Caporal, não é possível afirmar que há uma “inflação” no preço dos veículos usados, pois os resultados obtidos no estudo podem estar apenas identificando uma mudança no comportamento do consumidor.

Ainda conforme Caporal, “margem bruta e tíquete médio maiores não significam que os preços dos veículos usados subiram. Pode ser que pessoas que compravam carros com mais tempo de uso, passaram a comprar veículos um pouco mais novos ou com mais opcionais que, naturalmente, custam mais. Isso faz o tíquete médio subir”, concluiu ele.

Comments


montadora
bottom of page