Nem mesmo um muro de aço nos EUA eliminará excesso do metal

Há uma coisa que um muro com barras de aço na fronteira sul dos EUA não vai parar: a enxurrada de metal que está prestes a inundar o mercado.

 

Essa é a visão dos analistas da Keybanc Capital Markets, incluindo Phil Gibbs, que estimam que a oferta de aço produzido nos EUA crescerá até 15 milhões de toneladas curtas por ano nos próximos três a cinco anos. O Instituto Americano do Ferro e do Aço estimou que uma barreira feita totalmente de aço ao longo da fronteira sul do país exigiria cerca de 3 milhões de toneladas curtas.

 

A combinação da demanda aquecida com as tarifas para importação de metal do presidente Donald Trump incentivou as siderúrgicas do país a aumentar a produção. Entre as grandes produtoras que anunciaram expansões ou religamentos estão Nucor, U.S. Steel, Steel Dynamics e Commercial Metals.

 

"A resposta é não, que o muro não absorveria a oferta futura", disse Gibbs, por telefone, de Cleveland, EUA. "Será preciso mais deslocamento de importação, uma economia mais forte, já estando no centro do ciclo e provavelmente será necessário algum investimento em infraestrutura" nos EUA, disse.

 

As preocupações em relação às perspectivas para uma oferta maior derrubaram as ações das produtoras. O S&P Supercomposite Steel Index de 13 empresas caiu 26 por cento no ano passado, primeiro declínio desde 2015.

 

Please reload

Notícias Recentes

Please reload

Notícias por mês

Please reload

Tags

Please reload

 

Rua Geraldo Flausino Gomes, 42 - 5º andar | Brooklin Novo | São Paulo - SP 04575-060

Tel. (11) 5102-5656 | abrahy@abrahy.com.br

©2018 ABRAHY. criado pela TR2 Art + Design